Durval Carvalhal

Fazer de cada queda um passo de dança.

Textos


DANDO A VOLTA POR CIMA

Durval Carvalhal



Resultado de imagem para imagem de pessoa vitoriosa


 
“Vim, vi e venci!”
 
     Diego era um jovem, forte, inteligente, proativo e elegante; despertava um não sei quê de antipatia entre colegas, quer no trabalho, quer na faculdade. Era sempre alvo de infâmias e mentiras. Certamente, por isso, apanhou. E apanhou muito; sem pena e sem dó.
     Estoico e forte, resignou-se, resistiu e sobreviveu, porque teve a compreensão de que o problema central não era mais o que fizeram com ele, mas o que ele faria com o que lhe fizeram.
   Inicialmente, sem masoquismo, apreciou o voo rasteiro dos urubus à cata de carniça. Voo suntuoso e arrogante de quem era dono de si mesmo e não temia nenhum perigo. Salgou profundamente a água do tonel e banhou-se intensamente.
       Muitos abutres espantaram-se com o cheiro acre do sal curado e se afastaram; os que tentaram bica-lo, fê-lo levemente e desistiram sem arranhá-lo, alçando voo pela imensidão do espaço.
      Intacto, escapou do almoço fúnebre e passou a viver esculpindo a pedra bruta em que o transformaram. Um trabalho árduo e complicado, porque físico e mental. Mas com esforço, inteligência e sensibilidade, poder-se-ia transformar as “memórias póstumas” em vida pulsante, uma árvore frondosa, de belos galhos e frutos doces, impermeáveis a pedradas.
    Lembrou-se de Érico Veríssimo: “A vida tem momentos brilhantes, que compensam a dor de viver”. E passou a viver intensamente. Porque se a morte faz parte da vida, a recíproca não é verdadeira, pois a vida não faz parte da morte.
    Mas enquanto o prazo de validade da vida vigia, importava-lhe sentir-se parte do universo e de sua arborização, enverdecendo as ruas, as cidades e a vida de tantos quanto o rodeavam.
    Não foi, pois, um morto vivo e viveu em paz, saboreando a beleza, a sombra e o romantismo intrínseco à vida. E foi aí que compreendeu o profundo sentido da advertência: “Nunca maltrate uma pessoa quando estiver subindo, pois você poderá encontrá-la quando estiver descendo”, e respondeu com vitória a sua suposta derrota.
Durval Carvalhal
Enviado por Durval Carvalhal em 31/08/2017
Alterado em 31/08/2017


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras